10.3 C
Munique
20.7 C
Porto
OpiniãoColoco a mão na testa

Coloco a mão na testa

A noite caiu. Nas ruas, os candeeiros iluminam os passos dos transeuntes, que, ao contrário do que era suposto, andam quase abraçados.

Relacionados

Receita da Câmara Municipal de Paços de Ferreira quase triplica entre 2012 e 2021

Quem assistiu aos debates municipais do concelho de Paços de Ferreira nos órgãos de comunicação social regionais, que desde já quero agradecer o profissionalismo...

Meio campo, meio sintético

‘Longos dias têm cem anos’, neste caso em particular têm-se demonstrado anos muito curtos, uma vez que passados 12 anos de governação deste executivo...

Jorge Sampaio: o futuro do passado?

A morte de Jorge Sampaio fez emergir um conjunto de memórias e debates acerca da importância desta figura ímpar da democracia Portuguesa e, também,...

De súbito, ouço uma voz, “Esquecemo-nos das máscaras”, mas há metralhadoras que a assassinam. Fico estupefacto, com silvas no pensamento, e digo-lhes que o vírus anda na rua. A mais destemida, com o dedo em riste, vira-se para mim e atira-me uma pedra, “Oh caro amigo, vai dar uma volta ao bilhar grande”, coloco-a no esquecimento e insisto no pretérito, “O vírus é uma ameaça. É preciso ter cuidado”, então, só ouço a voz do silêncio.

Dentro da sala, sento-me e olho para a televisão, que tem uma jornalista a dizer que “os portugueses são pessoas responsáveis e que cumprem com as regras impostas pela Direcção-Geral da Saúde”, dou um sorriso e, quando o sino da igreja produz uma melodia, coloco a mão na testa. 

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido