3.5 C
Munique
17.5 C
Porto
OpiniãoMaioria absoluta, prepotência absoluta

Maioria absoluta, prepotência absoluta

Relacionados

O orçamento que não responde às pessoas

Após a conclusão da discussão do Orçamento de Estado para 2023 e a sua sequente aprovação pela maioria PS, é possível verificar que ficou...

O aumento do custo de vida para milhões e os milhões para uns poucos…

A grave crise económica que neste momento se abate sobre os portugueses, logo após uma pandemia global, não é o reflexo apenas de algo...

Penafiel, um ano após as autárquicas de 2021

Neste ano decorrido após as eleições autárquicas de 26 de setembro de 2021, muito do mundo como o conhecemos mudou e cada vez mais...

Em 28 de agosto de 2019, António Costa, do PS, disse que os portugueses não gostam de maiorias absolutas  porque guardam más memórias das maiorias absolutas.

Costa estava a lembrar-se de José Sócrates, de quem ele era o número 2, e do infindável rol de vigarices realizadas por esse famigerado primeiro-ministro.

Dois anos depois, confiante que os portugueses têm memória curta, Costa vem agora pedir o que antes abominava.

Aa maiorias absolutas são más, não apenas porque favorecem a corrupção, mas também porque ampliam a arrogância e prepotência da classe dirigente.

Um primeiro-ministro legitimado por uma maioria absoluta sente-se à vontade para impor os Cabritas da vida, os incompetentes que têm como única qualidade a sua inultrapassável vontade de bajular o chefe.

Além disso, com a maioria absoluta, o primeiro-ministro não teria escrúpulos em espezinhar os direitos mais elementares dos trabalhadores.

A reforma das leis laborais do tempo da Troika seria metida na mesma gaveta onde o PS trancou o socialismo.

Com a maioria absoluta, o PS continuaria a deixar afundar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), empurrando os portugueses para os interesses privados da saúde, passando por cima de um princípio básico, a saúde não deve ser um negócio.

Com a maioria absoluta, o PS continuaria a deixar  o país à mercê das benesses concedidas aos grandes grupos financeiros, como a borla fiscal de 110 milhões de euros oferecida à EDP, nas barragens de Miranda do Douro, em prejuizo do desenvolvimento desta região.

No próximo dia 30 de janeiro, os portugueses irão mostrar a António Costa e ao PS que não têm memória curta, que rejeitam a maioria absoluta, que favorece a corrupção, a arrogância, prepotência e a má governação.

Só com uma Esquerda reforçada, sem maioria absoluta, será possível defender os interesses dos trabalhadores e pensionistas, mas também a qualidade dos serviços públicos, em especial do SNS.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido