19.3 C
Munique
18.6 C
Porto
OpiniãoTóquio aqui vamos nós #4: Paralímpicos à conquista do Olimpo

Tóquio aqui vamos nós #4: Paralímpicos à conquista do Olimpo

Relacionados

Receita da Câmara Municipal de Paços de Ferreira quase triplica entre 2012 e 2021

Quem assistiu aos debates municipais do concelho de Paços de Ferreira nos órgãos de comunicação social regionais, que desde já quero agradecer o profissionalismo...

Meio campo, meio sintético

‘Longos dias têm cem anos’, neste caso em particular têm-se demonstrado anos muito curtos, uma vez que passados 12 anos de governação deste executivo...

Jorge Sampaio: o futuro do passado?

A morte de Jorge Sampaio fez emergir um conjunto de memórias e debates acerca da importância desta figura ímpar da democracia Portuguesa e, também,...

Depois do seu Emissor lhe ter contado tudo sobre a participação nacional nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, agora daremos voz e projeção aos Jogos Paralímpicos Tóquio 2020. Daremos conta do número de modalidades incluídas neste espetáculo desportivo, referindo os eleitos bem como os desportos que contarão com representação lusitana, destacando ainda as modalidades que estrearão no evento.

Os Jogos Paralímpicos vão muito para além da sua vertente desportiva em que as medalhas são objetivo. Aqui fala-se num evento, não descurando a vertente competitiva bem como todo o esforço na obtenção do melhor resultado de cada atleta em representação do seu país, cuja grande “bandeira” promovida  é a igualdade quer de direitos quer de oportunidades para todos, mostrando que o desporto pode ser fundamental na inclusão de atletas com algum tipo de déficit.

Pela glória competem desportistas com as mais variadas patologias: amputação de membros, déficit de mobilidade, paralisia cerebral,  deficiência mental e visual ou fragilidades a nível intelectual, são apenas algumas condições para a participação neste espetáculo.

De salientar que estaremos perante a 16ª edição dos Jogos Paralímpicos que acontecem pela segunda vez em Tóquio, com a edição precedente a datar de 1964.

A competição, que pela primeira vez na história  por conta da pandemia de SARS Covid2,não verá espectadores nas bancadas. Esta decorrerá entre os dias 24 de agosto e 5 de setembro, com a presença de cerca de 4.400 atletas provenientes de 203 países ou federações inscritas no COI, Comité Olímpico Internacional,  verificando-se um decréscimo de três quando comparada com a edição anterior realizada no Rio de Janeiro  em 2016. Tal motivo deve-se: à exclusão da  Rússia, uma vez que cumpre suspensão devido à existência de casos de doping no seu seio. Deste modo todos os atletas daí provenientes atuarão sob representação  ROC (Comité Olímpico Russo). A Coreia do Norte invocou a proteção de saúde pública, enquanto que o Afeganistão se vê afastado da competição visto o país estar sob o domínio do exército Talibã.

Já no que respeita a modalidades, o elenco desta edição conta com 22, sendo que o Badminton e o Taekwondo serão desportos em estreia, substituindo a Vela e o Futebol de 7 que desaparecem do programa.

 

 

Os nossos heróis rumo ao Japão

Portugal  que não contará com a presença do seu maior atleta, Lenine Cunha,  o desportista mais medalhado de sempre em lides olímpicas, visto não ter obtido mínimos para aquela que seria a sua 3ª participação no maior evento multidesportivo à escala global. Mesmo assim são várias as hipóteses de ser-mos felizes no país do sol nascente, com a comitiva a registar 33 “guerreiros/as,” que darão o seu máximo para honrar toda uma nação, distribuídos/as por oito modalidades:

Atletismo

Ana Filipe e Claúdia Santos – salto em comprimento categoria T20.

Sandro Baessa – 400m categoria T20,também a correr os 1500m, prova essa onde Cristiano Santos na mesma categoria  marcará igualmente presença.

 João Correia– 100m categoria T51

Hélder Mestre– atuará nas duas provas mais rápidas do atletismo, os 100 e 200m categoria T51

Manuel Mendes  – Maratona T46

Maria Odete Fiúza– Maratona T11

Miguel Monteiro– Lançamento do peso categoriaF40.

Saliente-se que: Claúdia Santos, João Correia e Sandro Baessa serão caras novas em eventos desta importância, participando assim nos seus primeiros Jogos.

Badminton

A defender o País encontramos a muito jovem e estreante Beatriz Monteiro, 15 anos, atleta da Associação Académica de Coimbra que competirá na vertente de singulares na categoria SU5.

Canoagem

A modalidade verá dois atletas estrearem-se  nestas andanças: Alex Santos na prova de 200m KL1,natural do Brasil. Com a outra vaga a ser preenchida por Norberto Mourão, ele que é uma das maiores apostas rumo aos metais, competindo na prova de 200m na categoria VL2.

Ciclismo de estrada

São dois os embaixadores lusitanos: Luís Costa – contra-relógio e prova em linha categoria H5 e Telmo Pinão– Contra-relógio e prova em linha categoria C2.

Equitação

Nesta especialidade  Ana Mota Veiga é representante única, indo disputar as provas individuais e de Freestyle Gau I.

Judo

Destacamos a estreia do praticante nascido em território africano, mais exatamente na Guiné-Bissau, Djobrilo Iafa,  que participará na categoria de -73KG B1, sendo também ele o único representante luso na modalidade.

Natação

Estará representada por seis atletas de entre os quais cinco serão estreantes:

Daniel Videira -400m livres e 100m costas categoria S6

Diogo Cancela -100m costas, 100m mariposa, 100m bruços  e 200m estilos S8/SB8 e SM8

Marco Meneses –  400m e 50m livres, 100m costas, 100m mariposa e 200m estilos S11/SB11 e SM11

Ivo Rocha– 100m bruços SB5

Susana Veiga– 50m livres S10 e 100m livres S9

Estes rostos contrastam com a presença do experiente David Grachat – 400m livres S9, sendo ele o primeiro atleta do contingente nacional  a atuar na presente edição dos Jogos.

Boccia

Nesta modalidade em que por diversas vezes já fomos laureados com subidas ao pódio, estaremos representados por:

Ana Sofia Costa– Individual e pares BC3

André Ramos – Individual e equipas BC1 e BC2

Avelino Andrade – Individual e pares BC3

Manuel Cruz – Pares BC4

Nelson Fernandes – Individual e equipas BC1 e BC2

Realce-se que todos estes são estreantes na competição. Já mais experientes, e, por conseguinte, maiores candidatos a um resultado de monta temos os casos de:

Pedro Clara – Pares BC4

José Carlos Macedo–  Individual e pares BC3

Cristina Gonçalves  – Individual e equipas BC2 e  BC1

Carla Oliveira – Individual e pares BC4

Abílio Valente  -Individual e equipas BC2 e BC1.

Nas 15 anteriores edições os nacionais conquistaram já 92 medalhas, sendo que o atletismo, o Boccia e a natação foram respetivamente as modalidades que mais contribuíram para tal. Na olimpíada anterior, no Rio 2016, haviam sido 7 as modalidades sendo 37 os desportistas em competição.

Agora é esperar  que todos os atletas, guias e treinadores disfrutem ao máximo da passagem pelos Jogos e que honrem da melhor forma a nossa bandeira, eles que já são os nossos heróis!

Boa sorte!

Por Diogo Rodrigues

 

 

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido