10.3 C
Munique
20.7 C
Porto
RegionalParedes: 26 famílias deverão abandonar as barracas onde vivem em 2022

Paredes: 26 famílias deverão abandonar as barracas onde vivem em 2022

Em colaboração com as IPSS, a Câmara Municipal pretende apostar em mais habitação social para albergar os munícipes que vivem em barracas no centro de Paredes.

Relacionados

Inspeção das motas será obrigatória a partir de 1 de janeiro de 2022

O Secretária de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, avançou ao Jornal de Negócios, esta segunda-feira, que “a partir de 1 de janeiro de 2022,...

Detido em Penafiel por agressão física e psicológica à esposa

A GNR do Penafiel deteve, na passada quinta-feira, um homem de 54 anos por violência doméstica no concelho de Penafiel. No decorrer de uma investigação...

Presidente da Iniciativa Liberal visitou ETAR de Paços de Ferreira após denúncias de habitantes

Hoje, a Iniciativa Liberal reuniu o candidato à Assembleia da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, João Carneiro, e o Presidente da Iniciativa Liberal,...

Após ter decorrido, a 6 de janeiro do presente ano, uma cerimónia na Câmara Municipal de Paredes referente ao Acordo de Colaboração no âmbito do 1º. Direito para o Município de Paredes, irá realizar-se a construção de habitações sociais condignas de forma ajudar 26 famílias, cerca de uma centena pessoas da comunidade cigana residente no acampamento de Valbom, no concelho de Paredes.

De acordo com a Câmara Municipal, numa primeira fase resolver-se-á “um grave problema de falta de condições de habitabilidade”, existentes no concelho há mais de 20 anos. Com o acordo, e segundo as palavras do autarca, serão criadas condições para que as obras, orçadas em 3 milhões de euros, comecem a nascer ainda este ano.

Em colaboração com as Instituições Particulares de Solidariedade Social e as juntas de freguesia, existe uma vontade do autarca em “apostar em mais habitação social noutras partes do concelho e ajudaremos a submeter candidaturas individuais de munícipes como beneficiários diretos”.

Em declarações à RTP, houve habitantes que chegaram a dizer que “com tanta promessa que há e com tantas vezes que nos chamaram, que tivemos reuniões, e nunca decidiram, nunca fizeram nada… e vamos ver se é desta vez”. Ainda de acordo com a estação televisiva, “a primeira fase vai contemplar as famílias da comunidade cigana, a segunda fase vai permitir o acesso a habitação social a cidadãos de um concelho onde os rendimentos são muito baixos”.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido