DestaqueMEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos em Portugal

MEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos em Portugal

Relacionados

Paredes: Dois homens com antecedentes detidos por roubo

O Comando Territorial do Porto, através do Núcleo de Investigação Criminal de Penafiel deteve, no passado dia 12 de junho, dois homens de 28...

Santo Tirso: Câmara Municipal alvo de buscas pela PJ

A Polícia Judiciária do Porto realizou, na passada quarta-feira, dia 12 de junho, buscas na Câmara Municipal de Santo Tirso e em três empresas...

AD e PS dividem vitórias nos Concelhos da Região do Tâmega e Sousa

A população europeia, foi, no passado dia 09 de junho, chamada a votar para eleger os assentos no Parlamento Europeu. Na região do Tâmega...

A plataforma MEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos, dos quais 80% já foram resgatados e os livros na posse nos alunos.

O Ministério da Educação avançou que “com o ano letivo em curso, cerca de seis milhões de ‘vouchers’ foram emitidos através da plataforma MEGA, prevendo-se que as movimentações que ainda ocorram, por parte das escolas, sejam muito residuais. A percentagem de resgates é já de cerca de 80%, o que significa que a esmagadora maioria dos encarregados de educação e/ou alunos levantaram os manuais disponibilizados gratuitamente pelo Ministério da Educação”.

Os vouchers são utilizados pelas famílias, nas livrarias aderentes, para levantarem os manuais gratuitamente, enquanto àqueles a quem os manuais reutilizados dizem respeito, devem ser levantados nas respetivas escolas.

As aulas arrancaram durante a semana passada e, na altura, as livrarias e editoras admitiram atrasos de semanas na entrega dos manuais, o que, consequentemente, poderia levar a que, no início de outubro houvesse alunos ainda sem livros.

Em declarações à Lusa, um responsável por duas livrarias, relataram atrasos nas entregas de manuais encomendados no início de setembro, de acordo com a TVI 24, “com milhares de livros por entregar, alguns dos quais esgotados, e novas encomendas ainda a entrar”, esclarece.

A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, já admitia a possibilidade de “dificuldade no abastecimento das livrarias”, acrescentando que “Imprimir os livros e distribuí-los por todo o país, chegando a mais de 600 mil famílias, é um processo logístico extremamente complexo que requer mais tempo do que as editoras dispuseram este ano, o que está a causar enorme pressão em todas as estruturas e nos recursos humanos”.

Entre terça-feira e sexta-feira da semana passada, os cerca de 1,2 milhões de alunos do ensino obrigatório regressaram todos, oficialmente, à escola para mais um ano em ambiente pandémico e com regras apertadas de controlo de contágio da Covid-19.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -