OpiniãoCidadania: o elefante dentro da sala… em Paredes!

Cidadania: o elefante dentro da sala… em Paredes!

Relacionados

Parque das serras do Porto ou Parque da Monocultura navigator?

Serra de Santa Justa a que melhor conheço, na era Romana denominada como Serra Cuca Macuca. Na era Romana (século II) rica pela exploração mineira...

Quanto se ganha por hora de trabalho em Portugal?

Algo importante na vida de todos e todas que trabalham é o salário. É com ele que pagamos as contas do nosso quotidiano, que...

A mineração por Penafiel

No passado dia 27 de dezembro terminou a consulta pública sobre o pedido de atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de depósitos minerais...

Já certamente se questionou sobre o porquê do surgimento dos movimentos de cidadania? Não vou demorá-lo com o meu ponto de vista e desde já afirmo que acredito se deve ao facto de haver cada vez mais conhecimento na sociedade.

Com efeito, é da consciencialização e do conhecimento das sociedades que nascem os movimentos de cidadania, como forma alternativa de organização e de motor desenvolvimento.

O quadro pluripartidário existente acaba por não dar resposta às necessidades atuais e cria muitas vezes descrédito perante os padrões dos nossos dias. Sem qualquer demérito por todos os que nos trouxeram a democracia até hoje, e com um especial obrigada a todos os que por ela se bateram, facto é que a democracia se constrói em cada dia e tem de ser a resposta.

Hoje, com as premissas de uma sociedade global e colaborativa, de uma transparência que exige informação em direto, de uma preocupação com o futuro que deixou de ser sentida para passar a ser vivida, a resposta de governação tem de ser diferente das políticas instaladas.

A consciência de que o importante é que todos se sintam envolvidos e acolhidos nos seus territórios, e que estes territórios são, no seu todo, uma herança que temos de deixar bem melhor do que a encontramos, traz também responsabilidades acrescidas e necessidade de fazer mais e melhor!

Traz uma necessidade de intervenção social e de evolução com uma clarividência inequívoca que só me é mais fácil explicar através das palavras do Prof. Carlos Brito no DinheiroVivo há dias: “O nosso grande problema não é falta de gente competente. O nosso grande problema é ter demasiada gente incompetente em lugares onde isso nunca deveria ocorrer. Mas aí a culpa não é dos incompetentes – é nossa, de todos os Portugueses, que, ao aceitarmos a incompetência com demasiada facilidade, não somos “impiedosos com os malandros”.

Não posso por isso ficar indiferente perante as vozes de sempre que, na imprensa local e nacional, se manifestam cegas perante o elefante na sala! Isto é apenas mais do mesmo: a base instalada tenta ignorar a mudança pelo medo que esta provoca, e por isso diz pouco esperar de conquistas dos movimentos de cidadania nos resultados das próximas autárquicas.

De facto, só os audazes olham para a mudança de frente e a consideram um aliado. Os demais, como diz a história, ficarão em terra a praguejar contra quem se supera! Haverá sempre velhos do Restelo espalhados pelo país,  e aqui em Paredes não é exceção. Mas a história é sempre escrita pelos audazes que partem rumo a mais e melhor… E não vale a pena ignorar: a cidadania vai mudar Paredes!

Ana Castelo,

Candidata à Câmara Municipal de Paredes pelo Movimento Juntos Por Paredes, Nós Cidadãos e Aliança

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -