10.3 C
Munique
20.7 C
Porto
OpiniãoDepois da Pólvora

Depois da Pólvora

Relacionados

Receita da Câmara Municipal de Paços de Ferreira quase triplica entre 2012 e 2021

Quem assistiu aos debates municipais do concelho de Paços de Ferreira nos órgãos de comunicação social regionais, que desde já quero agradecer o profissionalismo...

Meio campo, meio sintético

‘Longos dias têm cem anos’, neste caso em particular têm-se demonstrado anos muito curtos, uma vez que passados 12 anos de governação deste executivo...

Jorge Sampaio: o futuro do passado?

A morte de Jorge Sampaio fez emergir um conjunto de memórias e debates acerca da importância desta figura ímpar da democracia Portuguesa e, também,...

Os foguetes arrebentam com o silêncio que brincava com as estrelas, com a lua, com as costas do monte. E as cores que saltam para cima das casas, que surgiram quando a pólvora deu asas à magia, pintam as caras dos incautos da cor dos sorrisos. No auge dessa alegria, desse mar de pétalas, há uma voz que grita. Há uma voz que afoga a histeria que se apoderou da aldeia, e da periferia mais recôndita, num dedo que grita, “Aproveitem o momento para programarem o próximo momento”, junto do palco, que alberga uma tonelada de máquinas que fabricam brinquedos para os ouvidos, está uma carcaça sem dentes, está a tristeza do corpo vestida com roupa que custou uma noite de insónia. Está uma boca que sobe até ao topo da lua para aplaudir o grito da sapiência. E eu, do outro lado da praça, aproveito a oportunidade para acrescentar, usando o truque da trovoada, que o princípio da frase é uma cereja que devemos mastigar ao longo da nossa vida.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido