OpiniãoPortugal, um pequeno canteiro à beira-mar plantado.

Portugal, um pequeno canteiro à beira-mar plantado.

Relacionados

Parque das serras do Porto ou Parque da Monocultura navigator?

Serra de Santa Justa a que melhor conheço, na era Romana denominada como Serra Cuca Macuca. Na era Romana (século II) rica pela exploração mineira...

Quanto se ganha por hora de trabalho em Portugal?

Algo importante na vida de todos e todas que trabalham é o salário. É com ele que pagamos as contas do nosso quotidiano, que...

A mineração por Penafiel

No passado dia 27 de dezembro terminou a consulta pública sobre o pedido de atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de depósitos minerais...

Seria de esperar que pela sua beleza natural e pela abundância de razões para dele gostar, seria fácil enraizar e plantar futuras gerações em Portugal, e fazê-las orgulhosas aos olhos do mundo. Ao invés disso, após tentativas falhadas e cansadas repetições, pouco mais temos no nosso país que uma floresta morta, um país envelhecido pelos anos de duro trabalho e fracas recompensas.

As gerações mais velhas que arduamente trabalharam para deixar as bases de uma nação mais próspera, lentamente se apercebem que não resta a quem passar o manto. Os jovens, frustrados pela falta de valorização, migram à procura de um futuro mais promissor, proporcionado em grande parte pelos países liberais da Europa, e pelos seus congéneres mundo fora.

Lentamente acordamos para a realidade de que em breve seremos um país fantasma, envoltos pelos escombros da governação socialista à qual estamos tão habituados, e que pouco ou nada faz para manter os nossos mais novos cá dentro. Como povo, parece faltar-nos o impulso de querer fazer melhor e de querer inovar de formas que realmente importem e acrescentem valor, assim como falha a motivação para continuar a desbravar os obstáculos no caminho da prosperidade das gerações futuras, com esperança em melhores dias.

Enquanto permanecemos estagnados, sem crescimento económico, sem verdadeiras melhorias sociais e limitados nas nossas liberdades individuais devido ao contexto pandémico, propõe-se uma pequena reflexão:

O que é que o nosso país não tem, que é oferecido pelos outros? Serão os salários mais altos, e a melhor qualidade de vida, proporcionados por reduzidas cargas fiscais? Será a qualidade dos serviços públicos, desburocratizados, descomplicados e mais eficientes? Ou será o acesso à habitação de qualidade a preços justos e sem que seja necessário dar a volta a todo um sistema que inibe o investimento jovem (quiçá, propositadamente)?

O verde da nossa bandeira vai perdendo lentamente a cor, à medida que a esperança se vai apagando nas mentes dos portugueses – mas permanece uma réstia que pode ainda ser resgatada na condição de que juntos, como um só e remando o barco para o mesmo destino, pensemos e encontremos respostas para estas questões que impedem uma nova geração de construir a sua vida aqui.

Como podemos pedir aos jovens para ficar dentro das nossas fronteiras, se permitirmos que esta casa comum seja lentamente consumida por um Estado inchado, sedento de controlo e autoridade, num delírio de poder proporcionado por décadas de governação sem controlo nem escrutínio?

Enquanto outros partidos prometem mundos e fundos (e no fim só deixam buracos), a proposta liberal é simples: nos próximos 4 anos, estaremos prontos para ser verdadeiramente diferentes e dar aos nossos futuros engenheiros, cientistas, e todos os que aí vêm, as ferramentas para moldar um mundo melhor, a começar pelo nosso pequeno canteiro.

Luís Pinto

Membro da iniciativa liberal de Valongo

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -