0.7 C
Munique
13.5 C
Porto
OpiniãoPoliticArtes (#2)

PoliticArtes (#2)

Relacionados

A Proposta Liberal. Mais Saúde com a mesma Resiliência!

Com o mais recente agravamento da situação pandémica, vimos o mediatismo voltar-se novamente para o Serviço Nacional de Saúde e para as suas respostas...

Da falta de mão de obra concelhia …

Quando estamos perante um fenómeno que não conhecemos em toda a sua plenitude, mas sobre o qual há necessidade de intervir, é obrigatório, antes...

O pós eleições – legislativas de 2022 …

As eleições legislativas que se avizinham, apesar de serem muito importantes, não se constituem como um hipotético corte biográfico da democracia Portuguesa. Não obstante,...

Depois da ressaca das Presidenciais, onde antigos candidatos e partidos derrotados se reinventam e adotam outras estratégias para sobreviver, desenganem-se se acham que tão cedo vão deixar de ouvir falar em politiquices. Essa fase a que apelido de “acalmia estranha” é um bom momento para ser ouvido e para criar ondas de fricção.

Neste último fim-de-semana, houve um autêntico duelo de jovens cavalheiros. Uma bomba chamada moção de confiança caiu em cheio no coração do CDS-PP, dando início a um combate surpreendente e repentino. A liderança de Francisco Rodrigues dos Santos foi posta em causa por Adolfo Mesquita Nunes.

O CDS-PP voltou à baila, não pelos melhores motivos, esta moção de confiança transmite uma óbvia fragilidade ao partido e retrata a fase delicada em que ainda vive. Depois da saída de Assunção Cristas e dos maus resultados eleitorais, a divisão da família dos democratas cristãos é mais que evidente, o partido parece destruturado como se tivesse no seu interior uma fenda desconfortável que se vai alargando ainda mais.

Saiu o tiro pela culatra a Adolfo Mesquita Nunes! Francisco ganhou com uma diferença de 31 votos e reforça a sua liderança, retomando o seu discurso de futura promessa para ressuscitar o partido. O pior é que continua no mesmo registo desde que tomou posse a janeiro de 2020. Boa sorte jovem Chico!

Sexta-feira passada, a despenalização da morte medicamente assistida foi aprovada pelo Parlamento. Será um passo à frente em relação à dignidade da vida de cada um? Será a mais humanitária e democrática opção que podemos aprovar para o final a vida? Marcelo Rebelo de Sousa terá a última palavra.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido