21.3 C
Munique
19.9 C
Porto
RegionalEnfermeiras excluídas de vacinação contra a Covid-19 em favor da direção da...

Enfermeiras excluídas de vacinação contra a Covid-19 em favor da direção da IPSS em Viseu

Relacionados

Penafiel – Apreensão de armas ilegais

No âmbito de uma denúncia por ameaças com recurso a armas de fogo, no dia 3 de julho, os militares da guarda do posto...

Cerimónia de comemoração dos 91 anos da instituição em Paços de Ferreira brindada com medalha por serviços distintos de Grau Ouro

Zeferino Barbosa, presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Paços de Ferreira (AHBVPF), recebeu a medalha por serviços distintos de Grau Ouro da...

Amarante – Detido por posse de arma proibida

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Amarante, hoje, dia 30 de junho, deteve um homem de 23 anos por posse...

A partir de uma carta anónima enviada à ordem dos enfermeiros, é relatado que, a 18 de janeiro do presente ano, “todos os utentes e colaboradores da Unidade de Cuidados Continuados de Farminhão receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19”, referindo que, a Unidade de Cuidados Continuados e o Lar de idosos “são ambos valências da Associação de Solidariedade Social de Farminhão”, pertencentes à mesma direção.

A Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) situada em Viseu foi alvo de denúncia uma vez que, além dos colaboradores e utentes da Unidade de Cuidados Continuados (UCC), foram também vacinados o presidente da assembleia José António, o presidente da direção, Duarte Coelho, a vice-presidente, Ana Augusto, a vogal, Ercília Coelho, o tesoureiro, Fernando Matos, o vogal, José Silva, e a diretora executiva Sílvia Leitão.

A denúncia realizada refere ainda, “além de todas as pessoas da direção, foram também vacinadas duas funcionárias da secretaria que exercem as suas funções no edifício do lar e não na UCC”, referindo os seus nomes “Conceição Matos (esposa do tesoureiro)” e “Laura Batista – que no dia da vacinação se encontrava de baixa há mais de um mês e veio só para receber a vacina, continuando de baixa”, refere a fonte.

A 31 de dezembro do passado ano descobriu-se um surto de Covid-19 no lar, sendo que, de acordo com a fonte, todos os utentes ficaram infetados e a maioria das funcionárias do lar, “ficando a trabalhar em turnos de 12 horas 5 funcionárias no lar que testaram negativos”. A denúncia é realizada com base nas 5 funcionárias, as quais a fonte considera “justo” que as funcionárias tivessem sido “integradas no grupo de vacinação da UCC, uma vez que foram elas que lá ficaram durante o surto de covid a prestar todos os cuidados necessários aos utentes, enquanto que os membros da direção ficaram nas suas casas”.

A par desta questão, é ainda referido, por parte da fonte, que os membros da direção “nem conhecem as funcionárias que lá ficaram e nunca se voluntariaram para ajudar, limitando-se a falar para a comunicação social”.

Na sequência desta denúncia, a Ordem dos Enfermeiros manifestou-se referindo “condenar, veemente, a situação relatada (e outras que possam vir a ser conhecidas).

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido